terça-feira, 31 de agosto de 2010

Conflitos Internos (Infernal Affairs) 2002






                       MARY
             Eu não consigo terminar minha 
             história, eu não sei ainda se
             meu personagem é bom ou mal.


Direção: Wai-keung Lau e Alan Mak


Roteiro: Alan Mak e Felix Chong


Elenco: Inspetor Lau Kin Ming (Andy Lau), Chen Wing Yan (Tony Leung Chiu Wai), SP Womg Chi Sing (Anthony Wong Chau-Sang), Hon Sam (Eric Tsang), entre outros.


A comparaçãoé invitável, afinal, este foi o filme que baseou Os Infiltrados (The Departed) do Scorsese, tanto que no crédito do filme norte-americano, constam os dois roteiristas deste filme.


Mas o que eu acho é o seguinte. O filme do Scorsese prioriza muito mais o suspense e tenta explicar melhor a motivação dos personagens, tenta circunscrevê-los num universo mais sólido. Como Sullivan conhece Costello, como Costingan é cooptado pela polícia para ser um infiltrado, como se dá esta aproximação, com certeza, temos mais noção do que está em jogo em Os Infiltrados. para isso, o roteiro foi extendido e o filme ficou bem maior, mas sem problema de ritmo.


O filme chinês, por sua vez tem tem seus aspectos positivos e negativos. Começando pelos negativos, para quem não assistiu a Os Infiltrados, o começo de Infernal Affairs deve ser muito confuso, rápido e com uma certa insuficiência de informações. O roteiro e, consequentemente o filme, são mais curtos. Isto se deve a uma economia na composição que ao meu ver prioriza como evento central a morte de Wong (este evento, creio que é mais fraco em Os Infiltrados, talvez em função do aumento de elementos no roteiro).


Mas ao meu ver, a grande vantagem de Infernal Affairs se deve ao fato de demonstrar as mudanças do caráter dos seus personagens. Eu gosto muito do filme do Scorsese, prefiro-o em relação ao Infernal Affairs, mas o filme chinês tem esta grande vantagem.


Em Infernal Affairs percebemos de modo mais consistente o drama a de Tony Leung, Wong quando o procura se demonstra preocupado com o fato de Tony estar se transformando, cometendo crimes, usando cocaína, etc. E isto faz com que Wong o encaminhe à psicóloga. Em Os Infiltrados, creio que a ênfase do problema de Costingan se deve muito mais ao fato do perigo que ele corre no meio da ganngue de Costello do que de sua transformação em criminoso.


Por sua vez, Lau também se transforma (interessante é que Lau é homófona de Law, em inglês, lei). Percebemos que Lau começa a fazer parte da corporação policial e começa a desenvolver uma raiva de Sam, Lau vira um policial,assim como Tony começa a se transformar em um bandido. Por isso sua esposa diz que não pode terminar seu livro enquanto não souber se seu personagem, é bom ou ruim, ela não poderia, Lau estava escolhendo.


Lau decide matar Sam, mas decide isso por que mudou. Em Os Infiltrados, Sullivan medo por medo de que Costelo seja realmente um informante do FBI. Sullivan mudou, mas uma transformação de grau, não de gênero. Ele fica com medo de ser descoberto, e não por que suas concepções morais mudaram.


Por fim, acho que o final de Infernal Affairs também me é mais interessante. Não é necessário uma Nemêsis, um ente vingador a surgir e punir os pecados de Sullivan, como O Sargento Dignam faz. Estas mudanças ocorrem no espírito de Lau.


Mas enfim, embora possamos elencar uma variedade de elementos é interessante notar que são dois filmes autônomos, cada um com suas particularidades e com boas questões de roteiro e dramaturgia. vale muito à pena assistí-los e compará-los

Um comentário:

Ingmar disse...

Existe uma prequel do Infernal Affairs. Creio que foram incluídos elementos desse filme na adaptação americana.
Abs