domingo, 28 de outubro de 2018

First Man - Damien Chazelle 2018




Assisti ao O Primeiro Homem que resolvi comentar minhas impressões.
A meu ver, é um filme sobre o sofrimento, e consequentemente, a busca pelo significado e beleza da nossa existência. O ponto de partida é uma dor infinita, a morte da filha dos Armstrong nos primeiros anos de vida. A propósito, há uma belíssima transição da criança dormindo para o pequenino caixão. Na hora lembrei do livro A Peste de Albert Camus, onde Riex, o personagem principal, faz as reflexões sobre o sofrimento, e o tipo de sofrimento mais inaceitável de todos, o sofrimento de uma criança.
“E, na verdade, nada havia de mais importante sobre a terra que o sofrimento de uma criança e o horror que esse sofrimento traz consigo e suas razões que é preciso descobrir”. Mas... “Quem poderia afirmar que a eternidade de uma alegria podia compensar um instante da dor humana?”
No livro, o padre adverte, mesmo que sendo visto com suspeição por RIeux: “Meus irmãos, chegou a hora. É preciso crer em tudo ou tudo negar. E quem, dentre vós, ousaria negar tudo?” E nesses termos, o sofrimento absoluto se transforma em alimento que empurra a humanidade em sua missão desconhecida... “O sofrimento das crianças era nosso pão amargo, mas sem esse pão, nossa alma pereceria de fome espiritual.”
Mas para além da perda da filha, a morte cerca todos o tempo todo. Janet Armstrong diz à amiga que fazia tempo que não iam a um velório, só no último projeto enterraram quatro colegas... mal sabiam, embora fosse previsível, que em breve iriam em outro.
Mas há coragem nos Armstrong, mesmo com a perda da filha, eles têm um novo bebê e não se intimidam. Mas essa coragem parece ter seus limites, numa sequência belíssima, o medo de Armstrong se despedir dos filhos é superado pela coragem da esposa. “Vá se despedir de seus filhos”. A despedida é encerrada pelo filho mais velho - ainda criança - não por um abraço afetuoso, mas por um aperto de mão firme e sério... de uma criança que já entendeu as limitações da vida humana.
Muito interessante a escolha da direção em trabalhar com inúmeros primeiros planos e planos detalhes num filme cujo assunto esteja relacionado à exploração do espaço do infinito. Mas esse contraste se justifica. A propósito, talvez seja o melhor filme que eu vi com o Gosling, e acredito que a capacidade expressiva dos atores, sobretudo dele e Claire Foy, foi excepcionalmente bem explorada.
Sem querer forçar a barra, mas achei que o filme estabelece um diálogo interessante com o Soliáris do Tarkóvski. Se em Soliáris há uma crítica à corrida espacial - no sentido de que a busca por desbravar o universo é de certo modo inútil se não nos aprofundarmos no entendimento daquilo que somos - , em O Primeiro Homem a jornada espacial é uma possibilidade de auto-conhecimento. Nesse sentido os planos mais fechados são uma escolha muito interessante, pois revelam muito dessa jornada emocional diante da existência e do desconhecido.
A progressão dramática, a jornada emocional de Armstrong, tem seu clímax diante do infinito, na percepção do significado de finitude humana, da sua beleza e o seu milagre, o que contrasta com o cenário cinza e estéril da Lua. Compreensão de algo que não pode ser dito em palavras e só o cinema em sua grandeza poderia mostrar.


Halloween John Carpenter 1978





Foi a primeira vez que vi o filme, e o começo é realmente muito bom, o plano sequência POV de Michael Myers é simples, mas muito poderoso. Mesmo que Carpenter use a ironia dramática - sabemos que Judith corre risco, mas ela não -, mas a sacada está que não sabemos qual é a fonte desse perigo, pois não podemos ver quem é que vê, inclusive, somos nós que vemos.

Sei que há todo esse papo de que nos identificamos com o personagem se vemos as coisas pela perspectiva dele, mas tudo pode ser relativo e nada é absoluto em termos de linguagem. De fato, quando você vê através de um POV o qual você não sabe de quem é, tudo fica mais interessante e gera uma incerteza sobre o personagem, e isso é fundamental para a construção do personagem de Michael Myers, alguém que sofre de uma enorme confusão mental e sua incapacidade de saber quem de fato ele é, e isso se transforma em ódio e desejo de sangue (percebe a minha projeção?). 

Por falar em projeção, quando o filme começa, não sabemos nada sobre de quem é aquele ponto de vista, e isso gera uma lacuna que é preenchida com projeções do espectador. E para mim a possibilidade do espectador ter um alvo para projetar seus próprios horrores é fundamental para a resposta emocional do gênero, (por isso gosto muito do Atividade Paranormal, embora diversas pessoas subestimem esse filme). 

Outra escolha feliz da direção e diretamente ligada a essa estratégia é revelar – e mostrar - muito pouco sobre Michael Myers, em consonância com o que é feito no plano sequência inicial.

Curto muito também a cena onde Dr Loomis, o psiquiatra de Myers, na rua, fica pensativo sobre o paradeiro de Myers. Dr Loomis está em primeiro plano enquanto o carro onde Myers persegue Laurie está parado ao fundo. Quando Dr Loomis olha para o outro lado, o carro passa por trás no sentido contrário do olhar do psiquiatra evitando que ele veja Myers. Myers persegue Myers, que persegue Laurie... uma baita forma visual de representar o jogo de gato e rato entre eles.


A imagem pode conter: 1 pessoa, atividades ao ar livre

A propósito comecei a escrever para dizer que não havia gostado tanto do filme, mas depois de escrever minha opinião mudou radicalmente. Afinal, como diria o roteirista Bill D. Wittliff: “Como vou saber o que eu penso antes de ler o que escrevo?”


domingo, 17 de março de 2013

Site de uma rede de pesquisas sobre roteiros




The Screenwriting Research Network is a research group consisting of scholars, reflective practitioners and practice-based researchers interested in research on screenwriting. The aim is to rethink the screenplay in relation to its histories, theories, values and creative practices.
The network commenced in 2006 within the Louis Le Prince Research Centre, at the Institute of Communication Studies (ICS), University of Leeds. During the last six years the network has grown rapidly. Yearly conferences have attracted a growing number of people around the world to share experiences and discuss problematics of screenwriting research. The conferences have taken place in Leeds (2008), Helsinki (2009), Copenhagen (2010), Brussels (2011), and Sydney, Australia (2012). The sixth conference in 2013 widens the geographic spread to North America, Madison, Wisconsin (see sectionEvents).

Para ver mais, clilque no link:
http://screenwritingresearch.com/

Screenwriting in a Global and Digital World 6th Screenwriting Research Network International Conference

SRN International Conference 2013


Screenwriting in a Global and Digital World

6th Screenwriting Research Network International Conference

August 20 – 22, 2013

University of Wisconsin-Madison, USA

This is a call for papers for the annual international conference on screenwriting research, this year organized by the Department of Communication Arts at the University of Wisconsin-Madison, USA. The Screenwriting Research Network is a research group that commenced in 2006 within the Louis Le Prince Research Centre, at the Institute of Communication Studies (ICS), University of Leeds. The Screenwriting Research Network now consists of academics as well as practitioners interested in research centered on screenwriting studies. The network has achieved a critical mass in recent years with conferences taking place in Leeds (2008), Helsinki (2009), Copenhagen (2010), Brussels (2011), and Sydney, Australia (2012). The sixth conference widens the geographic spread of the network to North America, taking place in Madison, Wisconsin, USA (2013).

The Screenwriting Research Network is comprised of scholars, writers, and practice-based researchers devoted to rethinking the screenplay in relation to its histories, theories, values and creative practices. The aim of the conference is to continue, and expand, discussions around the screenplay and to strengthen a rapidly emerging, and global, research network. The Journal of Screenwriting, first published in 2009, stands as testament to the vitality of the screenwriting network across traditional and practice-based research. This is in addition to growth in the publication of screenwriting monographs by scholars in the network, including books on screenwriting by Steven Price, Steven Maras, J.J. Murphy, and Jill Nelmes, among others. The new Palgrave Studies in Screenwriting series grew out of this organization. The SRN is also building an online forum for scholars and practitioners interested in this subject.

The key theme of this next conference is “Screenwriting in a Digital and Global World.” This speaks to the complex and changing nature of screenwriting as a result of both digital technology and globalization. The conference hopes to raise questions about past, current, and future creative practices in scripting in various forms of media, both old and new.

Keynote speakers will be confirmed early in 2013.

The conference is interested in all types of research related to screenwriting in its many forms. We would like to invite abstracts for research presentations on (but not limited to) the following topics:

  • Cross-cultural collaboration in screenwriting
  • Screenwriting traditions in different national contexts
  • Screenwriting and transnationalism
  • Screenwriting and the pressures of globalization
  • Industry changes in the digital age and what it means for writers of film and television
  • Transmedia storytelling — “world building” and constructing narratives that reach across multiple platforms
  • Writing for online video as a new genre and profession
  • The history of screenwriting around the globe, including Hollywood
  • Questions of authorship in highly collaborative digital media projects
  • Database narratives and interactive, non-linear storytelling
  • Writing for games (including video games and ARGs)
  • Theorizing and analyzing screenwriting software
  • Screenwriting archival research
  • Theorizing screenwriting and the screenplay
  • Reflections on narrative theory and dramaturgy
  • Practice-based research
  • Case studies on individual writers or texts
  • Genre-orientated considerations of screenwriting and the screenplay
  • Adaptation in moving image screen works
  • The role of writing in non-fiction film, television, and other forms of media
  • Screenwriting for animation
  • Writing for episodic television
  • Screenwriting in independent cinema
  • Alternative forms of scripting


Call for Papers

Time allotted to each paper is 20 minutes plus discussion. Abstracts (250-300 words) may be submitted until January 1, 2013.  Earlier submissions are welcome. Please remember to state your name, affiliation and contact information. Include a brief statement (100 words) detailing your publications and/or screenwriting practice.

Please send your abstract as a WORD document, with the email subject heading “SRN Conference Abstract” to: info@commarts.wisc.edu.

More information on the program as well as cost, traveling and accommodation details will be available on this website as it becomes available.

The conference is supported by a grant from the Anonymous Fund of the University of Wisconsin-Madison, and is being organized with assistance from the Department of Communication Arts at UW-Madison, theWisconsin Center for Film and Theater Research (WCFTR), and the Screenwriting Research Network.

For further information, please contact J. J. Murphy, jjmurphy@wisc.edu or Kelley Conway, kelleyconway@wisc.edu at Department of Communication Arts, UW-Madison, USA.

Conference Co-Directors:
Professor Kelley Conway and Professor J. J. Murphy, Department of Communication Arts, University of Wisconsin-Madison, USA.

Mais informações
http://srnconference2013.commarts.wisc.edu/

domingo, 9 de dezembro de 2012

Breaking Bad. 1ª Temporada, Episódio 4, - Cancer Man



                              MR PINKMAN
                     Quem está ai?
                         (Surpreso)
                     Mas quê diabos você está fazendo aqui?


Escrever que Breaking Bad (Br+Ba) é excepcional, é fácil. Fácil tanto por não se aprofundar na afirmação quanto por ser esta opinião um consenso.

Eu vi toda a série até o último episódio, Gliding Over All, que foi ao ar no dia 2 de setembro e, enquanto aguardo ansioso pela conclusão da série em 2013, estou revendo tudo com atenção. Realmente, eu poderia discorrer infinitamente sobre inúmeros elementos do seriado, sua dramaturgia, estrutura, seus personagens, diálogos, etc. Mas, como tenho feito no blog, vou me ater a elementos particulares de alguns episódios e cenas.

Antes de começarmos, aviso para quem não assistiu que aqui teremos um SPOILER, visto ser um plot que trabalha com uma SURPRESA. Então, quem não viu ainda, comece logo a assistir ao seriado!

O episódio em questão é o quarto da primeira temporada, Cancer Man, quando Skyler descobre e conta para toda família sobre o câncer de Walter. Porém, apesar do plot de Walter ser central, o plot sobre Jesse me chamou bastante a atenção, pois descobrimos um pouco mais sobre ele.

1 - Jesse tem delírios paranóicos e foge de sua residência.
Por volta de 1/3 do episódio, Jesse Pinkman depois de exagerar no uso de metanfetamina, tem delírios paranóicos. Ele vê dois motoqueiros ameaçadores chegarem à porta de sua casa e se dirigirem para ela com granadas e facões. Jesse, apavorado, foge de casa pelos fundos e pula o muro da residência vizinha.

Depois que Jesse foge, o “narrador” revela ao “espectador” que os dois “motoqueiros ameaçadores” nada mais eram do que dois mórmons em seu trabalho de pregação da bíblia.

Depois, acompanhamos Walter White, num momento privado, quando ele cura os ferimentos causado por KrazyEight, depois o desenvolvimento dos problemas familiares de Walter White com sua esposa e com seu filho entre outras ações que não nos interessam agora (mas seriam importantes se estivéssemos estudando a estrutura narrativa do episódio e de como o plot de Jesse se insere no todo, o que não é o caso, pois só estou escrevendo sobre como a surpresa será construída especificamente no plot de Jesse.)

2 – Uma família típica, a qual não conhecemos, janta feliz.
Logo depois de acompanharmos W.W., nos vemos diante de uma família típica, bem estruturada com um filho muito jovem e prodigioso. Eles jantam e conversam sobre as assombrosas habilidades do moleque, parecem muito felizes e estáveis. Logo, ouvem um barulho no quintal.

Este barulho no quintal automaticamente nos faz lembrar que Jesse, numa crise paranóica, pulou o muro de sua casa para a casa vizinha. O clima de felicidade na casa da família que agora acompanhamos o jantar, e o contraste com o estado psicológico de Jesse nos faz temer pelo que pode acontecer, afinal, será que Jesse enlouquecido pulou neste quintal e em sua alucinação irá atacar esta família feliz?

3 – O pai da família decide verificar o barulho.
O homem decide ir ver o que causou o barulho no quintal. Eles estão com um pouco de medo. Uma série de questões e expectativas se forma na cabeça do espectador. Será que é Jesse que está no quintal? Será que irá atacar a família feliz? Será que o homem irá pegar uma arma e sair no quintal e ao ver Jesse irá atirar nele? Será que o homem vai chamar a polícia? Será que Jesse vai ser preso e correr o risco de entregar Walter White.

4 – Descobrimos se tratar da família de Jesse.
O homem vai ao quintal e se depara com alguém em uma situação patética, alguém que tropeçou em uma mesa e enroscou o pé em uma cadeira e não consegue sequer equilibrar-se. O homem pergunta quem é e percebe (antes do espectador) tratar-se de Jesse. Jesse se levante e chama o homem de pai, depois chega a mulher e o menino, e Jesse os cumprimenta, sem jeito e de longe, sua mãe e seu irmão.

Então nos surpreendemos! Toda a construção dramatúrgica nos leva a crer numa situação de perigo (a oposição entre o quadro psicológico de Jesse e o clima amoroso do jantar, a família perfeita e o junkie problemático Jesse, não conseguimos associá-lo ao universo deste lar todo amoroso e tranquilo). Todo o contexto é construído neste sentido, e todas aquelas dúvidas que tínhamos posteriormente do que poderia ter acontecido; Jesse atacar a família, o homem atirar em Jesse ou chamar a polícia, não se realizaram. Algo inesperado aconteceu. Jesse é a ovelha negra desta família.

Na primeira vez que vi fiquei bastante impressionado com o contraste da situação e da caracterização dos personagens, elementos que tanto neste episódio, como nos posteriores irão revelar mais sobre o personagem de Jesse e da relação com sua família, sobretudo com algumas surpresas ainda mais interessantes.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

August Strindberg, por Pascal Bonitzer

"É perigoso debruçar-se sobre o caráter de outra pessoa'. Strindberg agia como um médico, da mesma maneira que Ingmar Bergman (que claramente o influenciou). Como exemplo do que é um 'caráter', ele dá o seguinte, entre outros: 'Conheço uma freira que estimo muito, porque sei que é sincera. Mas sei que ela é muito sensível aos prazeres materiais e mesmo que bebe um pouco. Quando percebi isso, julguei-a hipócrita, mas, depois de algum tempo, tudo se esclareceu pra mim. Ela é freira porque é sensual. Não representa o papel de devota, faz penitência para vencer as suas más inclinações. Já não vejo mais contradições nisso; no entanto, receio que frequentemente os religiosos escondam tendências criminosas."




Este trecho pode ser encontrado no texto "Personagens e Acontecimentos", no livro "Prática do Roteiro Cinematográfico", escrito por Bonitzer e Jean Claude Carriére.

Henrik Ibsen, por Otto Maria Carpeaux

"Ibsen é Grande poeta. Além disso, é dono de uma habilidade teatral quase diabólica. Nem em Sófocles nem em Shakespeare há nada que possa se comparar à infabilidade da composição dramatúrgica em 'Kongsemnerne' e 'Espectros'. Mais do que nos casos de Shakespeare e Moliére, convém salientar que Ibsen foi antes de tudo, um playwright profissional. Tudo em sua obra, as cenas, os diálogos, os incidentes, parece naturalíssimo, como na vida de todos os dias: mas é uma ilusão magistralmente criada, pois tudo aquilo esta rigorosa e sabiamente subordinado à construção dramatúrgica". 

Otto Maria Carpeaux. História da Literatura Ocidental. Volume III. Capítulo III. A Conversão do naturalismo. P. 1986.