sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (Annie Hall) 1997



                    ALVY SINGER
              Isto é masturbação mental!


Diretor: Woody Allen


Roteiro: Woody Allen, Marshall Brickman


Elenco: Alvy Singer (Woody Allen), Annie Hall (Diane Keaton), entre outros.


Como este tal de Woody Allen é chato meu Deus do céu, tentei ver este filme duas vezes e não consegui.

8 comentários:

Fir disse...

O Woody Allen é chato?! Por amor de Deus! O "Annie Hall" é chato? É um filme divertidíssimo e altamente criativo, com tiradas geniais e recursos que ainda hoje são copiados por imensa gente.
Como diria Robert McKee: are you out of your fucking mind?

Daniel disse...

Uau!!! Gênio?!
Realmente acho que temos conceitos de gênio bastante diferentes. Olha só quem eu considero gênio; Goethe, Da Vinci, Shakespeare, Tarkóvski, Chaplin...

Olha que não coloco aqui gente que gosto e respeito muito, Hitchcock, Hawks, Wilder, Spielberg, Bergman, Scorsese, Kurosawa, Tarantino... eu poderia citar uma lista enorme

Dizer que o Woody Allen é um gênio para mim chega a ser algo leviano!

Mas enfim, eu não disse que o cara não tem boas sacadas, tem sim, a do professor universitário citando McLuhan e ai ele trás o McLuhan em cena e desautoriza o professor, mas o Allen é um intelectualóide, ele mesmo admite! Por isso escolhi justamente aquela fala do filme.

Mas ele não passa de um monte de cacoetes psicanáliticos e dezenas de piadinhas prontas espalhadas pelo filme, sem contar que seus filmes parecem uma repetição constante dos mesmos temas, o que não quer dizer variação. Quando ele não faz filmes sobre ele mesmo ele simplesmente constrói personagens cheios de neuroses, e eu não tenho paciência para gente chata, cheia de autocomiseração, e querendo mostrar o quanto é inteligente.

Mas é só uma opinião, ele tem sua legitimidade e seu público, o qual eu certamente não faço parte.

Abraço e obrigado pela postagem.

Fir disse...

Daniel,

eu não disse que o Woody é um génio, disse que o "Annie Hall" tem tiradas geniais.

De resto, dizer que os filmes dele são todos sobre os mesmos temas é o típico cliché de quem não conhece a obra dele.

Claro que não é grave não conhecer a obra de alguém, mas é imprudente (penso eu) uma pessoa dar a opinião sobre aquilo que não conhece.

Cumprimentos,
Fir

Daniel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daniel disse...

Bem, não conheço a obra inteira, mesmo por que não consegui nem terminar de ver o Annie Hall...

Quando era mais jovem eu até vi e achei interessante, mas enfim... não dá mais...

Vi algumas coisas, Match Point, Melinda & Melinda, Hanna e suas Irmãs, Rosa Púrpura do Cairo, e sinto que não preciso ver outros. Esta é minha opinião, sempre que vejo um filme dele me frustro, o que posso fazer?

Agora não entendo uma coisa, quem faz algo genial não é gênio? Bem, pelo menos eu penso que sim...

Mas enfim, acho que sua defesa do Allen poderia ser mais consistente e concreta, afinal, falar que as tiradas dele são geniais também não deixa de ser um clichê que nada diz.

Sei lá, fale sobre os méritos que você vê na cinematografia dele que realmente mereçam atenção, pois como fã de cinema eu estou totalmente disposto a me maravilhar com boas obras...

Fir disse...

Caro Daniel,

não quero ofender ninguém e acho que o WA não precisa que eu o defenda.

Afinal de contas, não sou eu que tenho um blogue sobre cinedramaturgia e portanto não me sinto na obrigação de escrever textos mais objectivos do que «que chato que é Woody Allen».

Resumindo a questão: se não vê as qualidades do «Annie Hall», nada do que eu escreva aqui poderá convencê-lo de que é um bom filme. Por outro lado, o Daniel também não conseguirá convencer-me de que o filme é chato, neurótico ou seja o que for. Portanto, não vale a pena arrastar a discussão. Como diria Gil Vicente: «Não cures de mais linguagem».

Já agora, aproveito para lhe dizer, que gosto de pelo 80% dos posts que escreve no ciberdramaturgia e que são mais as vezes em que concordo consigo do que aquelas em que discordo.

Cumprimentos,
F.

Daniel disse...

Fir

Obrigado mais uma vez pelas postagens e por levar em consideração parte do que aqui escrevo.

Quanto a ser mais objetivo, há centenas de elementos que eu poderia levar em consideração do filme, inclusive aspectos positivos, mas eu realmente não daria conta de tratar de tantos filmes.

Confesso que tenho dúvidas acerca da minha relação com o cinema, por exemplo, como ver os filmes, quantas vezes, frequência, e como discutir questões ligadas aos mesmos, de maneira específica e sem fazer, vulgarmente falando, crítica de cinema. Inclusive, sempre tento ter bastante cuidado em não transformar este blog em um blog de crítica cinematográfica.

Por isso, às vezes sou meio, digamos preguiçoso, e faço estas afirmações, talvez, não tão profundas.

Mas confesso que não consegui mesmo assistir o filme todo... hehehehehe
(sem maldade)

Mas discordo que vc não possa fazer eu ver qualidades no(s) filme(s) do Allen, mas talvez você tenha razão em dar por encerrada esta discussão, economizemos nossas energias. Mas qualquer dia destes, demonstrando que talvez estas postagens não sejam inócuas, eu assista e faça uma análise mais consistente de algum outro filme dele.

Quanto ao lance de ofender, me desculpe se em algum momento fui grosso, mas como diria o McLuhan, os meios de comunicação frios podem gerar certos ruídos de comunicação e é muito fácil parecer sermos grosseiros e cínicos em discussões via internet.

Não foi esta a intenção.

Abraço e mais uma vez desculpe alguma opinião mais apaixonada.

=)

Fir disse...

«os meios de comunicação frios podem gerar certos ruídos de comunicação e é muito fácil parecer sermos grosseiros e cínicos em discussões via internet».

É verdade. Desculpe-me também se me excedi nalgum momento.

Abraço,
F.